/ Hipercrescimento

HIPERCRESCIMENTO #20 - Um teste de realidade

"Você adora o que faz e está 100% comprometido, mas acaba esquecendo que muita gente não está tão comprometida ou ainda não aprendeu a executar como você.
E eles não aprenderão, a menos que você adote a abordagem do "senso de propriedade funcional"."

Você conhece ou até é o perfil que irei detalhar mais abaixo:

Gosta da empresa, das pessoas com quem trabalha e da sua rotina.

Quer construir uma carreira e contribuir para que a meta seja batida e a empresa cresça enquanto você cresce junto com ela. Mas acredita que a sua voz não está sendo ouvida pelos seus líderes e donos da empresa. Suas sugestões e conselhos passam despercebidos por eles e dá a entender que eles não se importam com a sua opinião e a de seus colegas. Você não se sente valorizado e começa a crer que talvez o seu lugar não seja nesse lugar.

Depois de tantas tentativas sem sucesso de mudar algo, você faz apenas o arroz com feijão para ganhar o salário do fim do mês.

Essa história é familiar para você?


Bem, a história acima já foi a minha, provavelmente a sua e de quase todos nós (ou ainda será). Mas se você se atentar, o problema não é bem o modus operandi da empresa. Talvez (e quase sempre é) o principal limitador para avançar na sua carreira seja nós mesmos.

"Se não gosta de como a mesa está posta, vire a mesa." Underwood, Frank

A frase dita pelo personagem da série House of Cards não aparece nas páginas do livro Hipercrescimento, mas poderia ser a resposta direta de um executivo para o funcionário que está lamentando a sua situação atual na empresa onde trabalha na página 273.

Aguardar que os outros o reconheçam ou descubram o seu talento, esperar pela oportunidade perfeita, seja no seu emprego atual ou em qualquer outra empresa, é um desperdício e um caminho pavimentado pela murmuração.
Você nunca fará nada enquanto aguarda a oportunidade de ouro cair no seu colo (e vale lembrar que ela não vai cair).

Aprender a lidar com a frustração e a trabalhar com as ferramentas que se tem, mesmo que não sejam as melhores, é essencial para avançar.

Uma empresa está lotada de problemas sem solução por falta de tempo ou profissionais. Se você identificou algum problema, porque não se coloca a disposição para solucionar?

Só não espere que os outros tragam a solução, porque talvez se soubessem já teriam resolvido. E se voê já tentou mas teve a sensação que a empresa o colocou para baixo, encontre alguém que acredite em você e possa orientá-lo.
Chame essa pessoa para um café e converse. Mas não espere o momento mágico de brilhar, porque isso só acontece em filmes.

Fale menos e faça mais. Mostre a que veio.

Caros executivos e líderes

A sua rotina é repleta de atividades que envolvem a área e a gestão de pessoas. Além disso, é necessário se atentar a vendas, geração de leads, sucesso do cliente, recrutamento, cultura da empresa e outros assuntos.

Nem sempre as coisas são fáceis e às vezes há maneiras digamos que "tradicionais" para se trabalhar, mas tais coisas não devem ser motivo ou desculpa para cair na inércia.

1 - Não espere aumentar o time e ter uma verba maior;
2 - Tome decisões mais rápidas;
3 - Não puna novas ideias;
4 - Bote a mão na massa e pare de dizer "nós" e diga "eu";
5 - Como você e sua equipe podem aumentar a receita?

Se você se sente sobrecarregado, reinvente-se. Melhorar o seu jeito de pensar e liderar a sua equipe são fundamentais para não ser deixado para trás.

Seu pessoal aluga o emprego ou é dono dele?

Já pensou se a sua equipe soubesse o que precisa ser feito sem você precisar dar ordens ou orientá-los o tempo todo?

Se você quer implantar novas ideias e uma rotina melhor e mais sadia, a sua equipe deve se engajar com essas novidades.

Não adiantar especializar as funções de vendas, inovar no produto ou mudar a cultura se não houver engajamento por parte dos funcionários.

Até que ponto a equipe depende do seu "OK" para a próxima ação, tomar iniciativas e descobrir como colocá-las em prática?

Donos não precisam ser geridos. Eles não aguardam o que precisam fazer, eles vão lá e fazem. Simplesmente porque emocionalmente eles são donos de algo e por isso se importam e cuidam de tal tarefa.

"Os funcionários precisam da propriedade funcional para agir como se fossem donos dos processos."

O senso de propriedade funcional

"As pessoas respaldam o que ajudam a criar."

O tamanho daquilo que elas ajudaram a criar torna-se secundário quanto a realidade do senso de propriedade das pessoas, incluindo a "incapacidade" de se esconder de tal responsabilidade, que quando compartilhada, tende a levar as pessoas a culparem uma às outras pelas falhas e fracassos.

O senso de propriedade funcional é fundamental para o engajamento das pessoas. Some a propriedade funcional com prazos inevitáveis e funções de força e voilà! A previsibilidade acontece.

É importante dizer que esse senso não funciona com todo mundo. Sempre haverá os reclamões, os batedores de ponto e os que se acham empreendedores e os carreiristas, mas se você tiver ao menos um que tenha atitude de dono, essa pessoa poderá transformar todos ao redor.

Aprenda a mobilizar ideias, a motivar e a manter uma boa energia entre a sua equipe. Caso contrário, você estará desperdiçando o potencial e o tempo deles, assim como os seus.

Isto não é um sermão ou um guia para tratar o seu funcionário a pão de ló - até porque sabemos que geralmente os próprios funcionários fazem parte do problema. Mas entenda que a maioria de nós fomos conduzidos desde o início da nossa vida profissional, a sempre ter alguém orientando o que fazer.

Fomos condicionados a esse hábito, e como todo hábito para ser mudado, precisamos de um exercício diário para se desvincular da crença que as ordens vem de cima.

Crie um ambiente favorável para a mudança desse mindset e ajude a manter o interesse da sua equipe e a cuidar das necessidades deles.

HIPERCRESCIMENTO #20 - Um teste de realidade
Compartilhar isso